Como estimular a nossa criatividade?

Por Cátia Évora em

Existe uma essência que habita em todos nós, e é responsável pelas mais variadas transformações, desde o segredo na receita do jantar até o surgimento de grandes empresas inspiradoras. Criatividade não é genética, não é dom, sorte, muito menos magia. Ser criativo é ser autêntico e inovador.

A Criatividade é a capacidade de um indivíduo imaginar, criar, produzir ou inventar conceitos e coisas inéditas.

É o ato de transformar ideias novas e originais em realidade. 

Essa habilidade tem dois processos: pensamento e produção. Ou seja, se tem ideias, mas não age sobre elas, é apenas imaginativo e não criativo.

De acordo com o psicólogo existencialista Rollo May, “a criatividade é o processo de trazer algo realmente novo à realidade. Ela requer paixão e comprometimento, e traz para a nossa consciência o que antes estava escondido.

Os 5 elementos da criatividade

A criatividade não é um dom com o qual as pessoas nascem. De acordo com Jeff Dyer, Clayton M. Christense e Hal Gregersen, autores do livro “The Innovator´s DNA (O DNA do Inovador), 25% a 40% da criatividade está relacionada à genética.

Após entrevistar os fundadores e CEOs de diversas empresas de sucesso, como a Amazon, Apple, Skype e Google, os autores apontaram que o comportamento das pessoas mais inovadoras do mundo está ligado a 5 habilidades que são fundamentais para diferenciar os inovadores dos profissionais comuns.

1. Capacidade de associação

É considerada a característica mais importante dos inovadores. As associações ocorrem quando o nosso cérebro tenta processar informações em sequência, dando-lhes lógica e coerência. Desta forma, é possível descobrir conexões entre questões que parecem isoladas.

2. Questionamento

Geralmente, os inovadores não deixam nenhuma dúvida passar em branco. Eles têm o hábito de questionar tudo, de modo a desafiar o status quo e não aceitar fórmulas fáceis.

É bastante comum que essa pessoas utilizam a seguinte frase ‘’O que aconteceria se mudássemos isso?”. Esse tipo de questionamento ajuda a entender como as coisas são, porque funcionam dessa maneira e como podem ser alteradas.

3. Observação

O inovador está sempre observando as coisas e tendo insights. Tem um perfil observador e detalhista, e todo o mundo é alvo desse processo, como produtos, consumidores, tecnologias, estruturas e serviços.

Tais observações são o combustível para explorar ideias e novos parâmetros para executar as coisas. Steve Jobs, fundador da Apple, desenvolveu o sistema operacional para Macintosh, após visitar e observar o centro de inovação da Xerox.

4. Networking

No seu dia a dia, os inovadores usam o seu tempo e energia para testar ideias a partir de uma ampla rede de contactos, que apresentam diferentes bagagens culturais e perspectivas.

Contudo, não se trata do networking convencional. Isto porque eles conversam, preferencialmente, com aqueles que não concordam com as suas ideias.

Mais do que fazer contato social, eles ambicionam por obter ideias frescas, dão preferência a pensamentos ousados, mentes não convencionais e conceitos que estão fora de sintonia com os padrões estabelecidos atualmente.

5. Experimentação

A última habilidade consiste na experimentação, já que os inovadores experimentam as suas ideais constantemente, explorando o mundo de forma sensorial e intelectual. Não têm convicções sobre nada e sempre pensam em novas hipóteses.

Experimentar também inclui visitar novos lugares, pesquisar coisas novas e aprender algo diferente todos os dias. Mergulhar nessas experiências proporciona novas ideias.

Estas 5 habilidades ajudam a compor o DNA da pessoa inovadora, de forma a criar ideias de negócio que se destaquem no mercado.

Cátia Évora | Educadora Social do Projeto FLAMINGO