A educação ao longo da vida existe mesmo?

Por Sílvia Henriqueto em

Quando falamos em Educação, geralmente associamos apenas à escola, à aprendizagem de algo.

No entanto, o conceito de Educação é hoje mais amplo no tempo, pois podemos falar desde cedo em educação pré-escolar, como também em educação de adultos e até na terceira idade. A educação acontece, portanto, ao longo da vida. E se assim é, o espaço onde ela acontece também não está circunscrito à escola, podendo estender-se à família, aos grupos nos quais pertencemos, à comunicação social, à internet…

Deste modo, hoje convido-vos a fazerem uma reflexão sobre a finalidade da educação. A educação não é apenas a aprendizagem de conhecimentos. A educação implica aprender, pensar, criar, cooperar com os outros, ser empático, apresentar confiança, ser flexível, persistente.

Todos os grupos aos quais pertencemos têm um papel na nossa educação. Pode ter sido com os nossos melhores amigos que desenvolvemos a criatividade e a imaginação nas brincadeiras de criança. Pode ter sido com os nossos irmãos que aprendemos a trabalhar em equipa. Pode ter sido na escola que aprendemos a resolver problemas. E quanto ao pensamento crítico? Bem, esse colocamos em prática sempre que pensamos sobre as informações que nos chegam através da comunicação social.

Estas características fazem parte da Educação. E todos as temos. É claro que todos somos diferentes, mas todos podemos ser génios. Albert Einstein disse “Todas as pessoas são um génio. Mas, se julgarem um peixe pela sua capacidade de subir para uma árvore, então ele vai gastar toda a sua vida acreditando que é estúpido”. Por isso, as nossas crianças e jovens não têm de ser todas excecionais em matemática. Podem ser muito bons em música, arte, história, letras ou seja o que for.

Para finalizar, deixo-vos um pequeno detalhe sobre Isaac Newton.

Como sabem, Isaac Newton foi um físico, astrónomo e matemático inglês. Em 1661 entrou no Trinity College, da Universidade de Cambridge. Contudo, em 1665, a Universidade de Cambridge viu-se obrigada a fechar devido à peste bubónica (entre 1665 e 1666 Inglaterra deparou-se como uma epidemia que ficou conhecida como “A Grande Praga de Londres”). Newton viu-se assim obrigado a parar de aprender e durante um ano poderia ter-se refugiado a descansar.

Contudo, durante esse tempo em que Newton não podia continuar a estudar na universidade, foi o tempo em que aproveitou para pensar sobre alguns problemas. E foi exatamente durante esse ano que Isaac Newton inventou algumas das suas principais teorias, como a Lei da Gravitação Universal, métodos de cálculo, entre outras.

Posto isto, pergunto-vos. O que fizeram ao longo deste tempo de confinamento do Covid-19? Pararam de aprender, e começaram simplesmente a jogar videojogos? Reinventaram formas de ocupar o tempo e inundaram redes sociais com vídeos extravagantes? Isaac Newton foi obrigado a sair da universidade, a parar de aprender. Ele decidiu pensar sobre as coisas e criou algo novo. Vamos também nós pensar sobre as coisas que nos rodeiam e, quem sabe, até podemos ter uma ideia criativa. Pensar também faz parte da Educação.


0 comentários

Deixe uma resposta

Avatar placeholder